SEGUNDO CONCEITO

A responsabilidade e a autoridade final pelos serviços de NA encontram-se nos grupos de NA.

A estrutura de serviço de NA foi criada pelos grupos a fim de servir as suas necessidades comuns. Os comités e as comissões de serviço da nossa irmandade existem para ajudar os grupos a partilharem a sua experiência uns com os outros, para fornecem instrumentos que ajudam os grupos a funcionar melhor; para atrair novos membros às reuniões de recuperação dos grupos e para levar a mensagem de NA mais longe do que qualquer grupo sozinho conseguiria. Como foram os grupos que criaram a estrutura de serviço, são também eles que têm a autoridade final sobre todos os seus assuntos. Pela mesma razão, os grupos também têm a responsabilidade final pelo apoio a todas as suas actividades. Uma acompanha a outra.
A responsabilidade e a autoridade são, idealmente, as duas faces da mesma moeda; o exercício de uma é também um exercício da outra. Quando os nossos grupos fornecem os recursos - a sua consciência e as suas ideias, as pessoas e o dinheiro - necessários para a realização dos serviços de NA, eles providenciam também a orientação para a estrutura de serviço. Vejamos alguns exemplos de como este princípio funciona.
O recurso mais importante com que um grupo de NA contribui para a estrutura de serviço é quase exclusivamente espiritual: são as suas ideias e a sua consciência. Sem a voz dos grupos, a estrutura de serviço poderá não saber que tipos de serviços serão necessários ou se os serviços que ela proporciona são aqueles que os grupos pretendem. Os grupos fornecem as ideias e a direção necessária para guiar a estrutura de serviço no cumprimento das suas responsabilidades. Ao exprimirem as suas necessidades e preocupações, os grupos exercitam também a sua autoridade sobre a estrutura de serviço que criaram.
As pessoas que dão o seu tempo para o serviço constituem um recurso vital; sem elas, os nossos comités e comissões de serviço não existiriam, muito menos seriam capazes de servir. A responsabilidade do grupo para com a estrutura de serviço é a de eleger um representante de serviços do grupo que servirá os melhores interesses do grupo e de toda a irmandade de NA. Ao escolher cuidadosamente o seu RSG e ao dar, depois, a essa pessoa um apoio e uma orientação regulares, o grupo exercita a sua capacidade de influenciar os serviços de NA, tanto directa como indirectamente. Ao escolher um RSG qualificado(a) e ao enviá-lo(a) para servir em nome do grupo, este cumpre uma grande parte da sua responsabilidade a também da sua autoridade sobre os serviços de NA.
O dinheiro é necessário para levar a cabo os serviços de NA. Sem ele, as nossas linhas telefónicas seriam desligadas, as nossas listas de reuniões não seriam impressas, não haveria literatura de NA para distribuir, os nossos painéis de H&I não teriam folhetos e os nossos trabalhadores de informação pública não poderiam fornecer à comunidade material escrito sobre a nossa irmandade. No 11º Conceito, mais será dito acerca da utilização de dinheiro no cumprimento do nosso propósito primordial. A mensagem do Segundo Conceito, em relação ao dinheiro é muito simples: dado que os grupos criaram a estrutura de serviço para realizar determinadas tarefas, os grupos são também responsáveis por fornecer os fundos necessários.
Até aqui, temos visto aquilo que o Segundo Conceito diz ao grupo de NA. Este conceito também se dirige à estrutura de serviço. Os grupos têm, directa ou indirectamente, criado todos os nossos comités e comissões de serviço e proporcionado os recursos utilizados por esses mesmos comités e comissões de serviço. Têm estabelecido a estrutura de serviço como um meio através do qual, juntos, podem cumprir melhor o propósito primordial da nossa irmandade. Assim, em todos os assuntos de todos os seus elementos, a estrutura de serviço deverá considerar cuidadosamente as necessidades e os desejos dos grupos. O Segundo Conceito pode ser visto como a maneira de os grupos dizerem à estrutura de serviço de NA: "Sejam responsáveis com os recursos espirituais, humanos e financeiros que nós vos fornecemos. Peçam-nos conselhos; não ignorem as nossas orientações."
Os grupos de NA detêm a autoridade final em todos os assuntos de serviço da nossa irmandade e deverão ser consultados regularmente em todos os assuntos que os afectem directamente. Por exemplo, as propostas para alteração dos Doze Passos, Doze Tradições, o nome, a natureza ou o propósito de NA, deverão ser aprovadas directamente pelos grupos. Do mesmo modo, se algo correr mal na estrutura de serviço, os grupos de NA serão responsáveis por tomar medidas construtivas destinadas a ajudar a corrigir o problema. A nossa experiência mostra que uma atitude radical, tomada à pressa, não servirá bem nem os grupos nem os nossos serviços. Dado que a mudança raramente ocorre de um dia para o outro, será necessário paciência e aceitação. Não obstante, o exercício da autoridade final sobre os serviços de NA, uma peça vital do sistema de serviços estabelecido pela nossa irmandade, é ao mesmo tempo, um direito e responsabilidade dos grupos.