DÉCIMO SEGUNDO CONCEITO

A fim de seguir a natureza espiritual de Narcóticos Anónimos, a nossa estrutura deverá ser sempre uma estrutura de serviço e nunca de governação.

O serviço desinteressado constitui um esforço essencialmente espiritual. O nosso Décimo Segundo Passo diz que "tendo experimentado um despertar espiritual", individualmente, "procurámos transmitir esta mensagem a outros adictos". Os nossos esforços colectivos de serviço nascem dessa base espiritual: tendo experimentado os resultados deste programa nas nossas próprias vidas, juntámo-nos para transmitir a mensagem de recuperação mais longe do que conseguiríamos individualmente. O serviço em NA não é forçarmos a nossa vontade ou as nossas ideias a outros; pelo contrário, trata-se de os servirmos humildemente, sem estarmos à espera de recompensa.
Este princípio está subsequente a tudo aquilo que fazemos nos nossos grupos, comités e comissões de serviço. O Décimo Segundo Conceito lembra-nos de que nós próprios também só experimentámos recuperação porque outros antes de nós puseram este princípio desinteressado em prática, dispondo do seu tempo e atenção para nos transmitirem a mensagem de NA, quando ainda sofríamos da adição activa. Em serviço, nós exprimimos a nossa gratidão pela recuperação que outros partilharam connosco ao transmitirmos a nossa recuperação a outros. Não pode haver nada mais afastado da vontade de governar, ou dirigir, do que este desinteressado espírito de serviço.
Os nossos grupos foram criados porque descobrimos que sozinhos não conseguíamos "parar de usar drogas, perder o desejo de as usar e encontrar um novo modo de vida." Da mesma forma, os nossos grupos juntaram-se para criar uma estrutura de serviço, um esforço de colaboração destinado a ajudá-los a transmitir a mensagem mais longe do que o conseguiriam separadamente. A estrutura de serviço não foi criada como um modo de alguns grupos obrigarem outros a fazerem a sua vontade. Foi, antes, desenvolvida para juntar a força dos nossos grupos, para melhor cumprirem serviços necessários que geralmente não podem ser bem feitos, se é que chegam a ser realizados, por grupos individuais: o desenvolvimento e a distribuição de materiais escritos que contém a nossa mensagem, o informar o público em geral sobre NA, a transmissão da nossa mensagem a adictos que não podem deslocar-se a reuniões e o apoio a novos grupos e comunidades de NA. O serviço em NA constitui o esforço de colaboração de servidores de confiança que recebem orientação dos grupos e não uma regra imposta por um orgão de governo.
O processo de nos juntarmos para criar uma estrutura de serviço realça a humildade dos nossos grupos. Separadamente, eles farão muitíssimo menos para cumprir o propósito primordial da nossa irmandade, do que podem conseguir juntos. Da mesma forma, cada um dos vários elementos da nossa estrutura de serviço tem o seu papel particular no plano mais vasto do serviço de Narcóticos Anónimos. Cada elemento depende de todos os outros para a sua eficácia; quando qualquer um dos elementos tenta agir como uma autoridade, em vez de veiculo de serviço, vai forçar os laços que nos unem a todos, ameaçando a eficácia geral da nossa irmandade no cumprimento do seu propósito primordial. A humildade é um atributo essencial de um serviço não-governativo em Narcóticos Anónimos.
Para melhor servirmos, cada elemento da nossa estrutura de serviço deverá fazer um esforço sério de comunicação eficaz. Como grupos, servidores de confiança, comités e comissões de serviço, deveremos partilhar activamente com os outros e escutar cuidadosa e respeitosamente aquilo que nos dizem. Enquanto outros poderão utilizar palavras para dividir a força dos seus opositores, para que possam governá-los; no serviço de NA, partilhamos uns com os outros, para que possamos juntar as nossas forças e melhor cumprir o propósito primordial da nossa irmandade. Para mantermos a nossa responsabilidade perante aqueles a quem servimos, temos a obrigação de os informar das nossas actividades de uma forma completa, precisa e concisa. A natureza não governativa da nossa estrutura de serviço exige que procuremos o conselho de outros nas nossas próprias decisões, o seu consentimento em decisões que os afectem e a sua colaboração em decisões que nos afectem a todos. Uma comunicação aberta, honesta e directa, alimenta o espírito de serviço na nossa irmandade e envenena o impulso de governar.
O tipo de autoridade que os nossos grupos delegaram nos nossos comités e comissões de serviço, é a autoridade para servir, não para governar. Cada elemento da nossa estrutura de serviço, desde o nível de grupo ao mundial, tem o seu próprio papel; todos, contudo, servem juntos, como uma equipe, lutando em direção a um objectivo comum; "que nenhum adicto em busca de recuperação precise de morrer, sem ter tido a oportunidade de encontrar um novo modo de vida." Diz-nos a experiência, por vezes obtida à custa de dificuldades, que um serviço de qualidade, tal como uma recuperação de qualidade, só pode ser conseguido num ambiente de respeito, de apoio e de confiança mútuos. Juntos recuperamos e juntos servimos - este é o núcleo espiritual do nosso programa, o alicerce da nossa irmandade. Uma estrutura baseada nesse alicerce só poderá ser uma de serviço, nunca de governo.